PROJETO VENCEDOR

Requalificação/restauro e conservação da área envolvente da Capela de Nossa Senhora da Salvação – Gilmonde

 

544 VOTOS

Cuidar do nosso passado, preservar o património e a história de todos é já um motivo de grande felicidade.
Como Pároco de Gilmonde considero o património da Igreja um tesouro da humanidade, um instrumento para a preservação da memória.

É sabido que o património histórico faz parte da identidade de uma sociedade, quanto às suas caraterísticas, costumes, ao seu comportamento, além de ser um registo fundamental para as gerações futuras. A consciência da história e a memória são parte de uma construção que se fixam ao longo do tempo e dá identidade a um ser humano, a um povo.

O resgate da memória é envolvido por sentimento que estimula e alimenta a necessidade do ser humano saber sobre si, sobre o seu passado, sobre o seu presente, sobre as suas conquistas, sendo então a memória um combustível da história. Aqui está a fonte da nossa felicidade.

Garantir a preservação de toda esta herança cultural é muito importante para a nossa sociedade, pois permite-nos formar a nossa identidade cultural, é basicamente tudo o que é produzido por nós, seres humanos, e que demonstra o valor da nossa cultura e a gratidão pelo património que os nossos antepassados, com muito gosto e sacrifício nos legaram.

No caso específico da requalificação da Capela de Nossa Senhora da Salvação, considero a mesma como património edificado de grande valor e identidade que nos une: Gilmonde, Milhazes e Vila Seca, além de uma vista magnífica para o Monte da Franqueira.

Vejo neste protejo inúmeras vantagens:
– Melhorar a acessibilidade das pessoas mais idosas e com deficiência motora;
– Reestruturação do adro que está constantemente a ser derrubado pelo trânsito automóvel;
– Realçar a criação de um “mini anfiteatro” nas traseiras, para eventos culturais e zona de descanso (esta capela é ponte de união das freguesias de Gilmonde, Milhazes e Vila Seca, e ponto de encontro das pessoas, já que no lugar não existe nenhum espaço comercial, cultural, recreativo ou ajardinado).
– Melhoria visual do espaço envolvente da capela;
– Fomentar o gosto e a sensibilidade pelo património edificado religioso, que é também património
cultural;
– Satisfazer o desejo do povo na atenção cuidada deste imóvel, que é muito querido pela população
envolvente.
Conhecer para preservar: eis o meu lema e convicção, o qual expresso nas linhas seguintes.

RESUMO HISTÓRICO

A Capela de Nossa Senhora da Salvação em Gilmonde, concelho e arciprestado de Barcelos, foi edificada após um grave contexto de epidemia que assolou o lugar de Rebordões e arredores, nos anos de 1600 e 1601.

Em finais do séc. XVI e início do séc. XVII, a Europa, Portugal e a região de Braga em particular, encontrava-se “cercada pelos maus ares da peste”, epidemia que ficou conhecida por “peste pequena”. Em Gilmonde e particularmente no lugar de Rebordões, vários moradores foram vítimas deste flagelo em 1601. Como existia no lugar um nicho junto à estrada real (Barcelos-Porto) com a imagem de S. Sebastião, os populares recorriam à intercessão deste santo protetor da peste, da fome e da guerra, para livrar o lugar da epidemia. Desaparecendo a peste do lugar e arredores de Gilmonde, o povo, em sinal de agradecimento, construiu de imediato uma capela para albergar a imagem de S. Sebastião. Foi no dia 2 de fevereiro de 1602, feliz coincidência da festa da padroeira de Gilmonde, Nossa Senhora das Candeias, que foi feita a escritura de doação do terreno para a construção da capela, a expensas dos moradores locais e da paróquia. Logo aí foi construída a Capela em honra de S. Sebastião, ou seja, originalmente a Capela de Nossa Senhora da Salvação era designada de Capela de São Sebastião, pois a este santo foi primitivamente dedicada. Estava situada no mesmo local atual, mas confinada ao espaço da atual capela mor.

Mais tarde foi ampliada para as medidas atuais, provavelmente em 1747, conforme data gravada na fachada. Desconhece-se a data precisa em que a denominação da capela foi alterada e passou a ter como orago Nossa Senhora da Salvação. Nas Memórias Paroquias de 1758 e nas invasões francesas de 1809 ainda consta como Capela de S. Sebastião.

A entronização da imagem de Nossa Senhora da Salvação terá acontecido em meados do séc. XIX, havendo referências e apontamentos de peditórios para a Senhora da Salvação em 1854 e 1855. A capela situada nos limites de Gilmonde com a freguesia vizinha de Milhazes, recebeu importantes intervenções na conservação do edifício entre 1975 e 1978.

No final dos anos 90, as paredes exteriores foram intervencionadas, com revestimento de reboco e azulejo, mas o processo foi revertido por não corresponder esteticamente aos requisitos pedidos. A capela tem um único altar e coro-alto, sendo o acesso feito pelo exterior. A sacristia é adossada a norte. A fachada principal está virada para nascente. No altar-mor da capela encontramos atualmente ao centro a imagem de Nossa Senhora da Salvação. Do lado do Evangelho a imagem de S. Sebastião, o antigo padroeiro da capela, e do lado da Epístola, Santo António. No corpo central do templo encontra-se para veneração Nossa Senhora do Parto. As festas em honra de Nossa Senhora da Salvação ocorrem no final de maio desde 2018. Até então realizavam-se no 4º Domingo de Setembro, sendo a segunda grande festa da freguesia, depois das festas em honra de Nossa Senhora da Ajuda.

10 FATOS RÁPIDOS SOBRE A CAPELA DE NOSSA SENHORA DA SALVAÇÃO:
01. Faz 419 anos neste ano de 2021. É o edifício em funcionamento mais antigo da freguesia de Gilmonde.
02. A capela está situada na rota dos Bordados e Tecelagem. É na rua da Nossa Senhora da Salvação que estão as oficinas das 3 artesãs gilmondenses que a esta arte tem dedicado grande parte da sua vida.
03. Por este motivo, o painel identificativo da capela e a as pagelas de oração, tem inserido no seu grafismo a réplica de um coração bordado por uma daquelas artesãs.
04. Todas as construções em volta, assim como a capela, caracterizam-se pelas paredes e muros em pedra natural.
05. Está situada num cruzamento de várias ruas, acessos e sítios, sendo local privilegiado de passagem para vários locais das freguesias de Gilmonde e Milhazes. A capela tem vista privilegiada sobre o Monte da Franqueira.
06. Devido a estar localizada a poucas dezenas de metros de Milhazes, também é muito visitada pelos moradores daquela freguesia, mais em concreto do lugar de Cardal, e por esse fato, a procissão solene, desde 2017, passa por este lugar. Também os habitantes do lugar de Barrancos em Vila Seca, a apenas algumas centenas de metros desta capela, mantêm a antiga tradição de participar nesta festa.
07. É a única capela do concelho/arciprestado de Barcelos dedicada à invocação de Nossa Senhora da Salvação.
08. Ocupa uma área aproximada de cerca de 310 metros quadrados.
09. Está situada entre as ruas de Nossa Senhora da Salvação e a Rua de Rebordões. Está localizada 170 metros a sul da A11.

As coordenadas geográficas são:

41°29’52.5″N 8°39’50.3″W
41.497907, -8.663976

Link para o Google Maps: https://goo.gl/maps/F3Yn3tPCPFLohXgC9

10. A capela recebe Missa aos dias da semana de forma regular desde o início de 2016. Aos domingos costuma ser um ponto de encontro, principalmente da população mais velha do lugar, que usa o muro do adro para descansar e conviver, dada a falta de espaços próprios para descanso, recreio ou lazer no local.

 

Partilhar:

Referência do Projeto:

OPB Ref. 97/21


Custo Estimado:

até 50.000 €


Proponente:

Paulo Sergio Rodrigues da Silva