Pontes para a Felicidade

 

372 VOTOS

Pontes para a Felicidade “Felizes, as crianças aprendem melhor”! “Se o meu filho gosta muito de karaté, de teatro ou de música, como é que posso pegar neste gosto e transformá-lo em mais uma competência académica?” (Renato Paiva, TSF, 16 de maio de 2018). A escola é o contexto primordial de promoção de aprendizagem e de aquisição de competências, que permitem às crianças crescer enquanto cidadãos/ãs, lidar com os desafios, adaptar-se aos constrangimentos, e atingir objetivos de vida. Deve, então, proporcionar condições para que todas as crianças, independentemente do seu contexto familiar, económico, cultural e/ou social, possam ter acesso a um ambiente escolar que promova o seu desenvolvimento holístico. A literatura especializada tem vindo a enfatizar a ideia de que a aprendizagem e o bem-estar das crianças caminham par a par, e que se interrelacionam positivamente. Para atingir o bem-estar e a felicidade, a criança necessita de se desenvolver na escola, a vários níveis: pessoal, relacional, académico, mental e físico. A promoção de um bom desenvolvimento traduz-se em crianças autorreguladas, motivadas, com sentido de autoeficácia, e, sobretudo, felizes, não só na escola, mas em todos os seus contextos de vida. Nem todas as crianças em idade escolar possuem o mesmo “ponto de partida” para uma aprendizagem e um desenvolvimento com sucesso. O facto de pertencerem, eventualmente, a famílias desfavorecidas economicamente, a minorias, ou a outros contextos que deprimem as suas oportunidades de desenvolvimento (e.g. habitações degradadas), não pode ser, em pleno século XXI, um fator determinante de exclusão e desigualdade. O papel da Escola e da comunidade escolar é crucial para proporcionar a todas as crianças oportunidades efetivas de inclusão. Os espaços da Escola, interior e exterior, podem e devem ser aproveitados por todas as Disciplinas e Atividades de Enriquecimento Curricular (Português, Matemática, Estudo do Meio, Inglês, Atividade Física, Educação Física, Expressão Artística, Atividade Lúdico-Expressiva), bem como por todas as distintas atividades extra-curriculares, de modo a potenciar o desenvolvimento holístico das crianças. Aliar a aprendizagem dos conteúdos a experiências sensoriais, a atividade física e ao contacto com a natureza potencia o sucesso e o rendimento dos/as alunos/as. Fazer uso total dos recursos disponíveis da escola promove uma experiência mais enriquecedora ao nível do saber e do sentir. Sentir-se bem na escola implica, necessariamente, querer estar e fazer parte dela. Este sentimento de inclusão na comunidade escolar pode ser, para algumas crianças, apenas obtido no contexto da escola, com os seus pares e agentes educativos. Aliado a este conhecimento, junta-se a situação de pandemia por Covid-19. A necessidade de medidas de contenção do vírus levou ao isolamento, distanciamento social, e até confinamento geral. Durante um ano, as crianças viram a sua atividade letiva e física na escola reduzida. Não houve possibilidade de manter várias das atividades extracurriculares e desportivas que anteriormente frequentavam. Depois deste período de elevado recolhimento, é necessário começar a desenhar o futuro e a integração plena das crianças nas suas atividades, potenciando-as ao máximo. A participação ativa em temáticas em que as crianças se sentem bem e se divertem, potenciam a felicidade em ambiente escolar. Uma aprendizagem alargada, de maior diversidade, conduz, indiscutivelmente, a uma maior aquisição de competências que serão essenciais no futuro das crianças a distintos níveis (familiar, social, cultural e profissional). Aliás, se a aprendizagem conduzir à felicidade, então as crianças terão, durante as suas vidas, um percurso marcado por uma maior aquisição de competências, na medida em que a busca pelo conhecimento terá, sempre, como reflexo, ainda que de forma inconsciente, a sensação de felicidade. A Escola tem vindo a fazer algum caminho nesse sentido, mas os pais (e as associações de pais) também o podem e devem fazer. Cumpre à totalidade da Comunidade Escolar promover melhores condições em Ambiente Escolar, tanto físicas como educacionais, de forma igualitária para todas as crianças. A Escola só é Futuro se a Comunidade Escolar viver e educar em Felicidade. No contexto do atual Orçamento Participativo (2ª edição), o enquadramento nos distintos fatores definidos pela Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas é evidente, nomeadamente por: promover o desenvolvimento educacional para a inclusão social, preservar e promover os valores culturais, estimular a participação em atividades desportivas e promover o desenvolvimento sustentável para a inclusão e potencialização do nível de vida. Escola Básica de Pontes A Escola Básica de Pontes é uma Escola Primária que se situa na freguesia de S. Veríssimo. Tem, atualmente, 105 alunos, entre os 3 e os 10 anos. Possui, contudo, mais de 1200 m2 de área exterior em terra batida, com um baixo e insuficiente índice de aproveitamento. A Associação de Pais da Escola de Pontes (que apoia e dá suporte a este projeto) promove, para todas as crianças, várias atividades (judo, dança, xadrez, etc.), embora em espaços físicos limitados e adaptados. A comunidade escolar da Escola de Pontes levou a cabo um esforço de reforma do edifício escolar. É agora um espaço digno de acolher com segurança e conforto as atividades letivas e não letivas dos/as estudantes. O mesmo não se passa com o recinto escolar ao ar livre. Uma melhor organização e utilização do espaço exterior da Escola é, atualmente, essencial para que se possam criar condições para a realização tanto de atividades extracurriculares, como para potenciar os conteúdos programáticos dos vários anos escolares. Desta forma, a presente proposta submetida ao Orçamento Participativo pretende: • Colocar um novo pavimento no espaço exterior que permita a realização de distintas atividades: desportivas, nomeadamente: as realizadas nas aulas de educação física; no judo; na dança; nas atividades promovidas nas épocas de férias escolares (€ 27.000); • Disponibilizar mobiliário de exterior para criação de espaços de convívio para as crianças, mas também como base para colocação de tabuleiros de xadrez em bancos e/ou mesas, bem como, ténis de mesa (€ 6.500); • Implantar um pequeno palco no espaço exterior, com sistema básico de som, que possibilite a apresentação de peças de teatro, projeção de filmes, música, dança, apresentação de livros e/ou festas escolares, tanto promovidas pela própria escola como por outras entidades do concelho (outras escolas e/ou associações), incluindo cadeiras para a assistência (€ 13.000); • Promover a atividade da jardinagem, com o desenvolvimento de um clube de jardinagem (orientado por voluntários da Associação de Pais), uma horta, um jardim vertical e compostagem (€ 1.000); • Criação de uma biblioteca de jardim, para que se possa, também, promover a leitura, tanto em ambiente escolar como em ambiente familiar (€ 500). Totalizando € 48.000 (quarenta e oito mil euros). IVA incluído. Referências: https://www.tsf.pt/sociedade/a-importancia-da-felicidade-na-aprendizagem-9345488.html

Partilhar:

Referência do Projeto:

OPB Ref. 98/21


Custo Estimado:

até 50.000 €


Proponente:

Joana Cristina Oliveira da cunha